Há uma série de estudos que foram conduzidos para justificar a eficácia de ouvir música clássica no aprimoramento de nossas funções cerebrais essenciais, especificamente no pensamento e aprendizagem. Mas pesquisadores mais sérios desconsideram essa crença. Eles afirmam que ouvir música clássica pode ser emocionalmente suave e agradável, mas não faz mais do que aumentar os níveis de dopamina no cérebro, algo que comer chocolates também pode fazer. Então, ouvir música clássica realmente faz uma pessoa mais inteligente? Listados abaixo estão as informação obtidas para tentar fornecer as respostas a esse enigma.

Ouvir música clássica para estudar é melhor?

O termo “Efeito Mozart”, quando surgiu, ainda não se referia às músicas de Mozart como uma ferramenta de aprimoramento da inteligência. Inicialmente a música de Mozart era usada como técnica de processamento auditivo. Se acreditava que ouvir tais músicas apresentadas em várias frequências ajudam a curar os ouvidos para processos auditivos.

A teoria de que a música clássica tem um efeito significativo no cérebro humano surgiu no início da década de 90. Um artigo de uma página discutiu os detalhes de uma pesquisa que envolveu estudantes universitários expostos à Sonata de Mozart por 10 minutos e, em seguida, realizaram um teste de razão espacial. Outros dois grupos envolveram ter os sujeitos a ouvir instruções de relaxamento através de uma fita gravada e ter o outro grupo em silêncio. Os resultados deste experimento mostraram que os escores espaciais médios dos sujeitos que escutavam à Sonata de Mozart eram maiores em 8 a 9 pontos, em comparação com os resultados dos outros dois grupos. Os escores de estudantes que já haviam ouvido Mozart antes de fazer o teste são significativamente maiores do que aqueles que ouviram fitas de relaxamento e aqueles que simplesmente ficaram em silêncio.

Este estudo desencadeou muita controvérsia e ganhou popularidade generalizada que, consequentemente, gerou mais e mais pesquisas sobre os potenciais da música clássica no cérebro humano. Os autores do artigo original, no entanto, ressaltaram que o efeito reforçador durou apenas 10 a 15 minutos. Eles enfatizaram ainda que o efeito estava limitado apenas ao raciocínio temporal espacial e não aumentou a inteligência geral como um todo. Por outro lado, alguns resultados negativos podem ter sido causados ​​por procedimentos de teste mal feitos. Enquanto muitos pesquisadores tentaram replicar os resultados, a maioria dessas tentativas provou ser infrutífera. Alguns chegaram a conclusão de que ouvir música clássica apenas aumenta o QI de curto prazo.

Música clássica e inteligência

O chamado “Efeito Mozart” se baseia no mito de que a música clássica aumenta sua inteligência, o que não é uma verdade. (Foto: Kansas Public Radio)

Apesar das limitações apresentadas no estudo, só no final da década de 90 que foi dado um novo significado para o termo “Efeito Mozart”. Os defensores da terapia musical publicaram um livro chamado O Efeito Mozart falando sobre o poder da música para curar o corpo, fortalecer a mente e desbloquear o espírito criativo. Assim se popularizou o efeito Mozart sem a apresentação de dados empíricos válidos para sustentar suas reivindicações. Embora o livro tenha citado o trabalho de pesquisadores e tenha se tornado popular desde então, grande parte do conteúdo do livro são reivindicações que nem podem ser comprovadas, nem refutadas, e isso não é ciência.

Estudos adicionais sobre o efeito Mozart

Devido à sua popularidade, mais estudos foram dedicados a replicar o desenho experimental da pesquisa original usando mais sujeitos para o experimento. Embora as descobertas mostrem que o grupo de escuta de música clássica apresentou melhor desempenho comparado aos outros grupos, não havia um convencimento de que o desempenho só poderia ser atribuído à música clássica. Outros fatores, como gênero, gosto na música, habilidade espacial genética e formação cultural individual podem contribuir com o grau pelo qual a música clássica afeta os resultados dos exames.

Outros experimentos replicaram o original de forma diferente. Em um deles, em vez de ter o segundo grupo ouvindo uma fita de relaxamento, os sujeitos foram expostos a uma performance de outro estilo musical enquanto o terceiro grupo permaneceu em silêncio. Um teste semelhante para a capacidade espacial também foi dado. Conseqüentemente, o número médio de respostas corretas foi maior para o grupo desse segundo compositor, seguido em breve pelo grupo da música clássica e, finalmente, com o grupo do silêncio. Embora houvesse diferenças, as técnicas estatísticas demonstraram que essas diferenças não eram significativas. Assim, não apoiou e verificou com sucesso a experiência original.

A influência da música clássica no cérebro

Apesar dos resultados dispares e as descobertas mais recentes sobre o cérebro humano, os cientistas desenvolveram gradualmente teorias neurobiológicas sobre como a música poderia ter um efeito no intelecto.

Para determinar as regiões específicas do cérebro que respondem a diferentes tipos de música, pesquisadores usaram ressonância magnética (MRI) nos cérebros dos indivíduos enquanto ouviam a músicas clássicas e algumas músicas pop da década de 1930. Verificou-se que todos os três tipos de música mostraram ativação do córtex auditivo do cérebro e estimularam esporadicamente as partes do cérebro que lidam com as emoções. No entanto, apenas a composição de Mozart exibiu áreas cerebrais ativadas associadas a processos de pensamento superiores, como visão e coordenação motora, geralmente contribuindo para um processo melhorado de cognição espacial. Verificou-se também que o hemisfério direito do cérebro processa a cognição espacial e a percepção musical.

Centenas de composições musicais foram examinadas em um estudo e as respostas cerebrais mais fortes são desencadeadas quando se escutam sequências musicais que repitam regularmente intervalos de 20 ou 30 segundos. As composições de Mozart prevalecem predominantemente no mesmo padrão. Tais respostas fortes podem ser explicadas pelo fato de que certas funções e padrões de onda do sistema nervoso humano ocorrer em ciclos com duração de 30 segundos. Em um experimento separado, o pesquisador submeteu um grupo de pacientes com epilepsia severa à música de Mozart. Dos 36 indivíduos, 29 pacientes melhoraram significativamente. As convulsões nestes 29 pacientes tornaram-se menos graves e diminuíram dramaticamente. Não foram observadas melhorias no mesmo grupo de teste submetido a uma composição de outros artistas, músicas pop de 1930 e silêncio. Mais tarde, o pesquisador concluiu que a música de Mozart pode melhorar as altas entre os pacientes.

Embora a música sempre tenha sido considerada um estímulo auditivo, é fundamental saber que a estimulação sensorial, em última análise, cria um fluxo mais eficiente da função cerebral. Pelo contrário, a ausência ou a falta de estimulação podem resultar na deterioração ou mesmo na perda de caminhos neurais. Diferentes estudos produziram resultados diferentes, e o Efeito Mozart pode ou não existir. Não demorará até que cientistas modernos possam descobrir o esquema de experimentação perfeito para estabelecer esse fato.

Enquanto isso, se você ainda se pergunta se a escuta de Mozart pode torná-lo mais inteligente, tente colocar algumas de suas composições e veja por si mesmo. Afinal, o trabalho de Mozart é uma forma de arte que vale a pena apreciar.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)