Idosos compõem uma parte crescente da população brasileira. Esse número cada vez maior é também composto de diversos idosos que estão usufruindo das maravilhas da tecnologia para suas vidas. Durante séculos, os idosos receberam cuidados rotineiros: há um médico (que diagnostica e mantém as necessidades de medicação) e um cuidador (um membro da família ou um grupo de enfermeiras que procura as necessidades diárias). Eles podem então precisar de assistência devido a uma variedade de questões, que incluem:

Falta de mobilidade

Perda de memória (devido ao envelhecimento ou doenças como Alzheimer ou Parkinson)

Perda na visão ou audição

Solidão

Felizmente, eles podem estar envelhecendo no melhor momento. Isso porque a tecnologia nunca foi melhor para o atendimento ao idoso. Nos últimos 10 a 15 anos, com o crescente desenvolvimento de smartphones e GPS avançado, o atendimento ao idoso melhorou muito graças à tecnologia associada a esses avanços. Às vezes, os idosos podem ser atendidos sem um ser humano ainda presente.

Mas primeiro, vamos ver como as tecnologias podem ajudar os idosos.

Idosos no Brasil e a internet das coisas (médicas)

A Internet das Coisas é um conceito bem simples: é a conexão de dispositivos que podem ser ativados e desativados por meio de uma conexão com a Internet, permitindo o compartilhamento de dados. Isso se aplica também no mundo da medicina, criando, assim, a Internet das Coisas Médicas (IoMT).

Quanto mais profissionais do mundo da medicina estiverem conectados uns aos outros, mais eles poderão aprender uns com os outros. Todo o ecossistema (médico), que envolve cuidadores, pacientes, pagadores e fornecedores, está experimentando um novo nível de engajamento que resulta do monitoramento remoto de pacientes e da manutenção remota de equipamentos conectados, proporcionando visibilidade e insights sobre regimes de exercícios, dieta e sinais vitais.

O mundo da medicina começou a usar esse tipo de compartilhamento de informações para ajudar os idosos com suas agendas de medicamentos, sinais vitais e implantes para ajudar com sua saúde. Muitas das outras tecnologias que analisaremos incluem a IoMT. Eles se concentram na rápida disseminação de informações, tudo em nome de ajudar os idosos da melhor maneira possível.

Tecnologia para idosos

Idosos podem usufruis de vários benefícios da tecnologia que facilitam muito suas vidas. (Foto: Digital Trends)

Serviços de GPS como tecnologia para idosos

O GPS (Global Positioning System) existe há décadas, mas nos últimos 10 anos, dois recursos melhoraram muito: a precisão da localização e o detalhe que o sistema de satélites é capaz de transmitir.

Agora, como isso ajuda com o atendimento ao idoso? Primeiramente, o GPS pode ajudar a localizar um idoso que pode se perder. Aqueles com problemas de memória decorrentes da demência e da doença de Alzheimer têm o hábito de perambular, o que pode significar ficar desorientado ou perdido, mesmo que o idoso conheça bem o local. Mais de 60 por cento das pessoas com Alzheimer ou outra forma de demência vão acabar se perdendo. Se uma pessoa não for encontrada dentro de 24 horas, até metade das pessoas que perambulam sofrerão ferimentos graves ou morte.

A necessidade de localizar idosos é enorme, e ter serviços e tecnologia GPS atualizados pode ajudar nisso. Por exemplo, existem empresas que produzem rastreadores GPS que podem ser passados ​​a roupas, colocadas em solas de sapatos ou colocadas em bolsas. Você pode colocar esses sistemas em acessórios de roupas de rotina para idosos, e eles podem ser facilmente encontrados se eles não estiverem onde deveriam estar.

Câmeras como tecnologia para idosos

O abuso de idosos é um problema real para os idosos. Cerca de um em cada 10 adultos com mais de 60 anos enfrenta algum tipo de abuso, seja físico, emocional, sexual, negligência ou de alguma outra forma. Algumas estimativas variam tão alto quanto 5 milhões de idosos que são abusados ​​a cada ano, e apenas um em cada 14 casos de abuso são geralmente relatados às autoridades.

Câmeras podem ajudar com isso. Elas permitem que as famílias dos idosos ou responsáveis ​​cuidem para que os idosos sejam tratados adequadamente. Enfermeiros foram pegos na câmera aproveitando os idosos, por exemplo. As câmeras também ajudam os profissionais de saúde a rastrear os movimentos dos idosos com problemas de saúde e mentais quando eles não estão por perto, observando seus hábitos e tendências.

Se um idoso não gosta da invasividade de uma câmera que o assiste durante o dia, existem alternativas como sensores. Ao instalar essas peças pequenas e sem fio de tecnologia, você pode acompanhar como a pessoa está ativa. E se os sensores detectarem mudanças na atividade, eles poderão enviar uma notificação automática (via texto, telefone ou e-mail) de que algo pode estar errado. Em outras palavras, se um idoso não estiver saindo da cama em um determinado horário ou entrando no banheiro para receber medicação quando deveria, esses sensores podem informá-lo.

Aplicativos de telefone para idosos

Aplicativos de telefone são um dos maiores avanços na tecnologia que ajudou os idosos e cuidadores de várias maneiras. Com qualquer smartphone básico, os idosos podem monitorar itens como medicação, frequência cardíaca e localização (se eles tiverem alguém com perda de memória e, de repente, não souberem onde estão).

Tão importante quanto isso, no entanto, os aplicativos são bastante úteis para familiares e cuidadores. As informações coletadas podem ser transmitidas aos médicos para ajudar a ver como os idosos são afetados à medida que envelhecem, desde a mobilidade até o modo como a medicação os afeta. Os apps também permitem que os membros da família acompanhem seus idosos e saibam onde estão o tempo todo, o que pode ser particularmente útil se eles perceberem que a atividade do membro da família diminuiu.

Em suas formas mais simples, os aplicativos também ajudam a manter os idosos ocupados. Um estudo descobriu que a maioria dos idosos gosta de ocupar seu tempo lendo e “perseguindo atividades religiosas”. Existem aplicativos intermináveis ​​que foram desenvolvidos para ajudar os idosos a se manterem informados com notícias, e outros aplicativos permitem que os idosos leiam seus livros favoritos.

Assistentes virtuais e robôs para idosos

Existem dispositivos disponíveis que permitem aos idosos obter ajuda e também receber uma melhor compreensão de suas tarefas médicas durante o dia (tomar a prescrição, exercitar o melhor que podem, etc.) sem que uma pessoa esteja presente para lembrá-los.

Existem aplicativos para tablets com tela sensível ao toque, muitos dos quais vêm com vozes automatizadas, que permitem que os idosos sintam que alguém está lá para ajudá-los. Isso proporciona um senso de comunidade, que é imperativo para os idosos à medida que envelhecem, especialmente se estiverem envelhecendo sozinhos. Há também robôs (sim, robôs!) Que os idosos podem percorrer suas casas para lembrá-los de tomar medicamentos, procurar conteúdo digital, ouvir suas músicas favoritas, conectar-se com a família e mais músicas.

Serviços de resposta a emergências

A falta de mobilidade, visão e audição pode colocar os idosos em grave perigo quando estão sozinhos. Serviços de resposta a emergências avançaram (com a ajuda do GPS) com a localização dos idosos e o envio de pessoas o mais rápido possível para ajudar. O mundo dessas tecnologias também desenvolveu dispositivos exclusivos para ajudar os idosos na ação de cair. Uma empresa desenvolveu um cinto de segurança que utiliza airbags nos quadris quando percebe que um idoso está caindo. O cinto então retransmite um sinal para um dispositivo que envia socorristas na sua localização o mais rápido possível.

Assistência para a medicação de idosos

Um estudo relatou que, entre 2011 e 2014, quase 40% dos idosos tiveram que tomar cinco ou mais medicamentos prescritos (muitas vezes diariamente) durante um período de 30 dias. Outro relatório descobriu que uma média, um idoso tem que gerenciar 14 medicamentos prescritos ao mesmo tempo. Centenas de milhares de idosos fazem uso indevido de medicamentos prescritos por causa de uma comunidade médica que muitas vezes oferece analgésicos narcóticos, medicamentos para ansiedade e outros produtos farmacêuticos para tudo, desde dor nas articulações até depressão.

Embora o problema de quantos remédios sejam emitidos seja outro problema em si, existem soluções que os avanços recentes da tecnologia oferecem para ajudar os idosos a administrar suas prescrições atuais fora de um frasco transparente básico ou de uma caixa de comprimidos.

Há caixas de comprimidos com alarmes que permitem que os idosos saibam que pílula exata precisam tomar e quando precisam tomá-los. Existem empresas por aí desenvolvendo e vendendo frascos de comprimidos inteligentes, conectando seus medicamentos a médicos e farmácias para obter dados sobre a frequência com que os pacientes tomam seus medicamentos. Ele também envia sinais (como uma mensagem de texto ou uma ligação telefônica), permitindo que os idosos saibam que é hora de tomar a medicação, caso eles se esqueçam.

Implantes para idosos

Os problemas de saúde associados ao envelhecimento podem ser muito para cuidar de uma só vez, como notamos quando se trata de confusão com medicamentos. Alguns desses problemas podem ser aliviados com curativos e implantes avançados.

À medida que as pessoas envelhecem, elas se tornam mais propensas a diabetes tipo 2. Os corpos dos idosos podem sentir dor ou baixa energia em vários pontos do dia. Em vez de não ter certeza de seus níveis de glicose, existem sensores de glicose que permitem que você simplesmente ative um transmissor para que você saiba se você precisa de ajuda ou não. Isso traz benefícios específicos que os monitores contínuos de glicose convencionais não tem, como a capacidade de retirar o transmissor sem remover o sensor, o que normalmente você não seria capaz de fazer.

Uma tecnologia como essa pode ajudar a aliviar o estresse que os idosos enfrentam quando cuidam de si mesmos. Eles também podem ajudar a fornecer dados e tendências vitais que podem ser relatados posteriormente aos médicos para ajudar os idosos a desenvolver o melhor plano de atendimento.

Como você acha que a tecnologia ajuda os idosos hoje? Quais tecnologias julga mais importantes para a terceira idade?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)