Pólos tecnológicos são centros de excelência e desenvolvimento industrial e científico. Espalhados ao redor do mundo, promovem os mais diversos avanços para o mercado. Foi de pólos tecnológicos que muitos produtos que usamos no nosso dia a dia surgiram, desde carros mais modernos até os smartphones que usamos.

No Brasil, os pólos tecnológicos estão espalhados pelo país, crescendo mesmo em momentos de crise e promovendo o desenvolvimento das regiões onde estão inseridos. Os pólos brasileiros vão desde pólos da indústria têxtil até os pólos tecnológicos de desenvolvimento de aplicativos e novas tecnologias. Vamos conhecer alguns desses centros de excelência do país.

Principais pólos tecnológicos do Brasil: Porto Digital, no Recife

O nordeste sempre foi uma região com potencial subutilizado pelo nosso país. Nos últimos anos, isso vem mudado, e a criação do Porto Digital em Recife mostra um pouco do que a região é capaz quando recebe os incentivos certos.

Com foco em games, multimídia, cinema, música, fotografia e design, a região já movimenta mais de 1 bilhão de reais por ano, com mais de 250 empresas em uma associação com o governo e as universidades. Os investimentos em inovação são pesados e, como consequência, a região cresce economicamente por estar um passo à frente de seus concorrentes.

Pólos tecnológicos do Brasil: San Pedro Valley e Santa Rita do Sapucaí, em Minas Gerais

Minas vem ganhando um grande destaque com seus pólos tecnológicos, principalmente nas áreas de desenvolvimento de software e informática. Em Belo Horizonte, o pólo de San Pedro Valley (brincadeira com o nome do bairro São Pedro, onde o pólo está localizado) vem crescendo em espaços de coworking e pela colaboração entre os empreendedores. São mais de 200 startups, aceleradoras, e programas de incentivo, propiciando o ambiente ideal para a inovação florescer.

Já em Santa Rita do Sapucaí, temos um conhecido Vale da Eletrônica. A cidade oferece uma infraestrutura ideal para o desenvolvimento das startups, incubadoras, e aceleradoras, além de possuir uma qualidade de vida inigualável por outros pólos tecnológicos por ser uma cidade com menos de 50 mil habitantes. A presença de escolas técnicas e universidades na região só contribuiu para um maior crescimento do pólo tecnológico na região, que promete ainda mais crescimento nos próximos anos. É um exemplo de como a visão e planejamento, mesmo para uma cidade pequena, podem promover um ótimo desenvolvimento.

Pólos tecnológicos

Os pólos tecnológicos brasileiros vem crescendo mesmo na crise, proporcionando o desenvolvimento e novas possibilidades para as regiões onde eles estão inseridos. (Foto: Ozean Infosolutions)

Pólos tecnológicos brasileiros: PqTec, em São José dos Campos

O estado de São Paulo inteiro deveria ser considerado um pólo tecnológico. Mas a cidade de São José dos Campos merecem um destaque especial, pois não apenas é um grande pólo tecnológico no país, como também é responsável por uma das tecnologias onde estamos muito bem no mercado mundial: a indústria aeronáutica. São mais de 300 empresas na região que promovem o desenvolvimento e economia nos setores automotivo, energético, saúde, têxtil, tecnologia da informação, comunicação, transporta, e claro, a indústria aeroespacial brasileira.

Pólos tecnológicos do Brasil: Sapiens Parque, em Florianópolis

Além de Florianópolis ser uma bela cidade, é também um dos pólos tecnológicos que mais crescem no país. Eleita uma das cidades mais empreendedoras do país, o pólo de Floripa já possui mais de 600 startups e empresas que vem se estabelecendo e crescendo desde a década de 80. Com empresas principalmente promovendo a indústria limpa, casos de sucesso tem atraído mais investidores e a atenção do mercado para a cidade, o que promete ainda mais desenvolvimento nos próximos anos.

Pólos tecnológicos do Brasil: UFRJ e Nova Friburgo, no Rio de Janeiro

Um dos “caçulas” dos pólos tecnológicos, no Rio de Janeiro o foco do pólo tecnológico não poderia ser outro a não ser energia e petróleo. Porém, esse foco do pólo vem mudando onos últimos anos, com a presença de cada vez mais empresas de outras áreas, que aproveitam o capital social da região e os custos mais baixos para a inovação. Não é o maior pólo do país, mas se continuar seu crescimento constante, é possível que se diversifique ainda mais para mais industrias.

Em Nova Friburgo, o caso do pólo têxtil da região é curioso. Surgido durante uma crise na década de 90, o pólo vem hoje diversificando os mercados de atuação para a cidade que outrora dependia exclusivamente da indústria têxtil. É esperado que nos próximos anos o pólo diversifique ainda mais suas indústrias de atuação, deixando a cidade menos dependente de uma ou outra atividade.

Pólos tecnológicos brasileiros: Tecnopuc e Tecnópole, no Rio Grande do Sul

Baseado nos princípios do intercâmbio de ideias e o relacionamento próximo entre empresas, universidades, e o mercado, o Tecnopuc é um dos pólos mais elogiados no exterior, por conseguir simular bem de perto o que deu início ao Vale do Silício nos EUA. São mais de 120 empresas presentes no local, de grandes nomes a pequenos, que investem nas áreas de energia, meio ambiente, ciências da vida, indústria criativa, e tecnologia da informação.

Em Porto Alegre, a Tecnópole surgiu da união entre diversas instituições de ensino para promover o desenvolvimento e aproveitar o potencial da cidade para as novas tecnologias. Além de promoverem inovações para a cidade, os pólos se associaram com instituições públicas, como o SEBRAE, para promover o empreendedorismo, o que tem sido bem sucedido. O pólo Tecnopuc faz também parte da Tecnópole.

Conhece outros pólos de tecnologia no Brasil? Quais você conhece?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)