A palavra “mineral” é usada para se referir a dois tipos diferentes de componentes. Um é os minerais da dieta, e o segundo são os elementos formados devido a processos geográficos, simplesmente chamados de minerais. Um mineral é matéria sólida tendo uma estrutura atômica ou molecular cristalina. É uma substância homogênea, natural, com uma composição química claramente definida. Em 1965, a Associação Mineralógica Internacional adotou uma definição padrão para minerais como “um elemento ou composto químico que é normalmente cristalino e que foi formado como resultado de processos geológicos”. Muitos minerais são usados ​​para extrair metais úteis; e, portanto, torna-se importante estudá-las completamente.

O que são os minerais?

Existe um número esmagador de minerais conhecidos. Atualmente, a Associação Mineralógica Internacional lista mais de 4.600 minerais com novos minerais ainda sendo descobertos. Apenas 100 desses são comuns, enquanto os demais são encontrados ocasionalmente ou são muito raros. Com um número tão grande de minerais, é difícil identificá-los e classificá-los separadamente. No entanto, mineralogistas identificam minerais com base nas seguintes características:

  • Traço
  • Lustrosidade
  • Brilho
  • Dureza
  • Clivagem
  • Sistema de cristal / hábito
  • Cor
  • Gravidade específica
  • Clareza ou Transparência

Depois que o mineral foi identificado e provado ser um mineral, é classificado como um mineral silicato ou não-silicato, baseado em sua composição.

Minerais de silicato

O grupo mais comumente encontrado de minerais na crosta terrestre é o grupo do silicato. Quase todos os minerais de silicato têm silício e oxigênio como suas unidades básicas. A maioria dos minerais de silicato é formada pelo resfriamento de rochas fundidas. À medida que as rochas fundidas se aproximam da superfície dentro da crosta terrestre, elas começam a se resfriar muito rapidamente e se combinam com o elemento mais abundante na crosta terrestre – o silício. Os minerais de silicato constituem aproximadamente 90% da crosta terrestre. Mica, quartzo, amazonites, olivina e biotita são alguns dos exemplos de minerais de silicato.

Minerais não silicatados

Existe uma gama completa de minerais não silicatos. Alguns deles são formados quando há resfriamento de magma, enquanto outros são formados quando a água neles se evapora, ou devido à decomposição mineral. Os não-silicatos podem ser classificados em diferentes grupos que são:

Elementos nativos

Muitos elementos puros que são encontrados com uma estrutura mineral distinta e ocorrem naturalmente em uma forma não combinada, se enquadram nessa categoria. Por exemplo: carbono não-combinado é freqüentemente encontrado em seu estado puro na forma de grafite ou mais raramente como diamante. Ouro, prata e enxofre são outros elementos, que também são encontrados em seu estado puro. Embora estes sejam elementos puros, eles são qualificados como minerais, mas nenhum processo químico é necessário para eles.

Sulfuretos

Esta classe de minerais tem sulfeto (S2−) como sua unidade básica. Estes compostos inorgânicos são algumas vezes tão importantes economicamente quanto outros minérios. Alguns exemplos incluem Niquelina (NiAs), Pirita (FeS2) e Molibdenita (MoS2).

Óxidos

Quando um minério é encontrado no qual um ou mais elementos são combinados com oxigênio, é um óxido mineral. Estes podem ter fórmulas químicas do tipo XO (MgO, ZnO, CuO, etc.), X2O (Cu2O), X2O3 (Al2O3, Fe2O3), XO2 (MnO2, SnO2) e XY2O4 (MgAl2O4, FeCr2O4). Os minerais de óxido são principalmente de elementos metálicos. Exemplo: hematita, magnetita e cuprito. Silicatos e óxidos são os tipos mais comuns de minerais em vulcões, especialmente após uma erupção.

Carbonatos

Este tipo particular é formado quando um único íon carbonato (CO32-) reage com um íon metálico de polaridade complementar. Exemplo: siderite (FeCO3), smithsonite (ZnCO3), calcite (CaCO3). Minerais de carbonato são usados ​​na fabricação de cimento e outros materiais de ligação.

Sulfatos

A classe mineral que inclui o íon sulfato (SO42-) dentro de sua estrutura molecular é categorizada como um mineral sulfato. Minerais como gesso (CaSO4 · 2H2O) e barita (BaSO4) são exemplos de minerais sulfatados.

Minerais Orgânicos

Esta classe de minerais inclui substâncias biogênicas, gênese ou origem das quais podem ser atribuídas a um processo geológico. Os minerais orgânicos incluem todos os tipos de oxalatos, melitatos, citratos, cianatos, acetatos, formatos, hidrocarbonetos, etc.

Além destes, há muito mais minerais não-silicatos, como nitratos, sulfetos, haletos, fosfatos, etc., mas a maioria dos 4.000 minerais listados estão agrupados nas categorias acima. Certifique-se de não ficar confuso entre minerais e rochas. Uma rocha é uma combinação de vários minerais, que também podem incluir restos orgânicos e mineraloides, isto é, minerais não cristalinos.

Minerais e suas funções

Existem minerais que podem, inclusive, influenciar no seu metabolismo, dependendo da quantidade que você consome deles. (Foto: Geology In)

Minerais na dieta

Sabemos que existem quatro elementos que são cruciais para a existência de todos os organismos vivos. Estes são carbono, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio. No entanto, além destes, existem certos elementos químicos que também são necessários para a sustentabilidade dos organismos vivos. Esses elementos químicos são chamados de minerais dietéticos. Estes minerais dietéticos são novamente divididos em dois grupos com base em suas necessidades.

Macrominerais

Estes minerais são necessários em grandes quantidades, e sua deficiência no corpo pode resultar em várias doenças. No entanto, o excesso desses minerais também pode resultar em certos distúrbios. Os principais minerais, suas funções e alimentos onde são encontrados estão abaixo.

Cálcio: construção de ossos ossos, funções nervosas e musculares. presentes em laticínios, vegetais de folhas verdes, oleaginosas e sementes.

Cloreto: para retenção de água. Presente no queijo, alface, tomate, carne vermelha e de porco, sal e centeio.

Magnésio: construção de ossos, funções nervosas e musculares. Presente em laticínios, vegetais de folhas verdes, oleaginosas e sementes, farelo de cereais, frutos do mar.

Fósforo: construção de ossos e armazenamento de energia. Presente em laticínios, peixes, aves, oleaginosas e ervilhas.

Potássio: contenção, funções nervosas e musculares. Presente em frutas secas, frutas cítricas, banana e vegetais de folhas verdes.

Sódio: retenção de água, funções nervosas e musculares. presente no leite e queijo, beterraba, aipo, azeitonas, carne vermelha e de porco, e no sal.

Nosso corpo requer esses minerais em quantidades muito pequenas. No entanto, a deficiência desses minerais pode levar a complicações de saúde. São os seguintes:

Cobre: proteção contra dano celular, construção de ossos e produção de glóbulos vermelhos. Presente nos mariscos, cogumelos, chocolate, oleaginosas e feijões.

Fluoreto: construção de ossos. Presente em chás e em peixeis de água salgada.

Iodo: função da glândula tireoide. Presente em frutos do mar e no sal iodado.

Ferro: função muscular, auxílio no transporte de oxigênio. Presente na carne, salmão, atum, frutas secas, vegetais de folhas verdes, ovos, batata assada com casca.

Selênio: função da glândula tireoide e proteção contra dano celular. presente em peixes, mariscos, frango, ovos, carne vermelha e germe do trigo.

Zinco: pele saudável, fortalecimento do sistema imunológico e cicatrização de feridas. Presente na carne vermelha e nos legumes.

O que você conhece dos minerais? Quais outras curiosidades e definições conhece?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)