Muito variadas, existem muitas pedras preciosas diferentes neste mundo, mas cada uma delas é única à sua maneira. Mais do que apenas belas, essas pedras impressionantes são valiosas devido à sua construção e sua raridade.

Existem mais de 4000 minerais que ocorrem naturalmente na Terra que conhecemos. Estes minerais geralmente se desenvolvem a partir do resfriamento da rocha fundida ou magma, mas é o que eles podem tornar-se particularmente intrigante.

Quando aglomerados de minerais se formam, ou combinações diferentes se juntam, eles podem se transformar em recursos naturais preciosos, como ouro, estanho, ferro, mármore e granito. Muitos minerais também formam belos cristais, com os mais procurados depois de serem pedras preciosas. Enquanto gemas sem lapidação são indiscutivelmente simples na aparência, uma vez cortadas e polidas, elas exibem a beleza e o apelo que as tornaram tão desejáveis.

Historicamente, as gemas foram categorizadas em duas classes distintas; pedras preciosas e semipreciosas. Embora existam muitas pedras semipreciosas, diamantes, rubis, safiras e esmeraldas continuam sendo preciosas. Esse status é determinado pela oferta e demanda, bem como pelas quantidades percebidas existentes na Terra.

Curiosidades sobre pedras preciosas

Você sabia que a ametista já foi considerada uma jóia preciosa? De fato, até que grandes reservas fossem encontradas no Brasil, as ametistas eram consideradas altamente preciosas e consideravelmente valiosas. Uma vez que estas reservas foram descobertas, o valor da ametista caiu significativamente.

Você sabia que os diamantes são a substância natural mais difícil de encontrar na Terra? Essas gemas preciosas são formadas por átomos de carbono que sofreram uma pressão extremamente alta, a centenas de quilômetros de profundidade. Eles são encontrados apenas em alguns locais ao redor do mundo.

Você sabia que um diamante bruto e não polido é o mineral mais difícil? É por esta razão que os diamantes são usados ​​para cortar e perfurar muitos materiais diferentes, bem como criar superfícies lisas. Curiosamente, grafite (o mineral usado em lápis) também é feito de átomos de carbono, mas é considerado um dos minerais mais macios. Isto é devido ao arranjo diferente de átomos.

Você sabia que, em 1997, a casa de leilões Christie’s vendeu um colar de jadeíte por quase US$10 milhões? Embora semelhante em som a uma gema semipreciosa Jade, jadeíte é extremamente rara e altamente valiosa com o preço de um quilate definido em cerca de US$20.000.

Você sabia que a pedra preciosa mais cara já vendida foi o Diamante Estrela Rosa, vendido por US$83 milhões? Esta pedra preciosa impressionante foi extraída em 1999 na África do Sul, com um peso de 59,6 quilates. Com um preço de venda de US$83 milhões, esse diamante se tornou a gema mais cara já vendida.

Você sabia que o famoso diamante Hope é o maior diamante azul profundo do mundo? Pesando 45,52 quilates, é um dos objetos museológicos mais visitados do mundo (mantido no museu Smithsonian) e permanece cheio de mistérios.

Tipos de pedras preciosas e semipreciosas

Durante séculos, as pessoas usaram os termos precioso e semiprecioso para descrever pedras preciosas. Você ainda ouvirá esses termos ocasionalmente hoje. No entanto, essa classificação de gema tem tantas exceções que não tem valor real. Por exemplo, os diamantes têm sido tradicionalmente considerados pedras preciosas, mas alguns são vendidos por US$100 o quilate. Você pode vê-los (com ampliação suficiente) como pedras de destaque em jóias baratas. Por outro lado, as gemas de granada têm sido tradicionalmente consideradas pedras semipreciosas, mas algumas vendem mais de US$1 mil por quilate, dez vezes o preço de um diamante de baixa qualidade.

Referir-se a um conjunto de tipos de gemas como “precioso” e todas as outras gemas como “semipreciosas” pode ser enganador, uma vez que implica que pedras preciosas têm valor inerentemente maior. Os gemólogos profissionais não usam mais esses termos. Consumidores, seja cauteloso se você encontrar essas descrições.

Abaixo, algumas classificações de pedras preciosas.

Pedras preciosas

Pedras preciosas são carregadas de lendas e histórias, existindo em diversos tipos e valores. (Foto: Panchrathna Gems)

Diamantes e pedras coloridas

As gemas também são divididas em duas categorias: diamantes e pedras coloridas. (Alguns comerciantes usam a “cor” abreviada para pedras coloridas). Cortadores e comerciantes de pedras preciosas usam este sistema de classificação de pedras preciosas por dois motivos principais.

Primeiro, cortar diamantes requer ferramentas especiais porque essas pedras preciosas são mais difíceis do que todas as outras. Com poucas exceções, essas ferramentas não são adequadas para cortar pedras coloridas. Portanto, os cortadores de gemas precisam de dois conjuntos diferentes de ferramentas para lidar com os dois tipos de pedras.

Em segundo lugar, diamantes e pedras coloridas são extraídos e distribuídos de forma diferente. Os diamantes são uma das poucas gemas com um suprimento consistente. No entanto, a indústria de diamantes leva o público em geral a acreditar que os diamantes são incrivelmente raros. De fato, há gemas coloridas muito mais raras que os diamantes. Por que isso acontece? Um monopólio controla vendas e marketing de diamantes. Os responsáveis ​​têm o cuidado de não inundar o mercado. Assim, os diamantes mantêm seu valor. Esse monopólio também convenceu o público de que os diamantes são as principais pedras preciosas por meio de excelente publicidade.

Neste sistema de classificação de pedras preciosas, todos os diamantes, claros ou incolores, ainda são considerados diamantes. Por outro lado, uma safira ou topázio incolor ainda é classificada como uma pedra colorida.

Gemas naturais, sintéticas e de imitação

Outra maneira de classificar gemas é natural ou sintética. Pedras naturais, naturalmente, formam-se na natureza. Pedras criadas em laboratórios podem ser subdivididas ainda mais.

Sintético refere-se a materiais que duplicam suas contrapartes naturais. Por exemplo, esmeraldas sintéticas, safiras e espinelas compartilham as propriedades físicas e ópticas das variedades naturais. Em muitos casos, distinguir pedras naturais e sintéticas é bastante desafiador.

Os materiais homocriados não possuem contrapartes naturais. Esta categoria inclui as granadas sintéticas gadolínio, gálio-granada (GGG) e granada de ítrio-alumínio (YAG).

Durante muito tempo, os gemologistas consideraram a zircônia cúbica (ZC) uma pedra preciosa homocreada. No entanto, minúsculos cristais não grandes o suficiente para serem usados ​​como pedras preciosas foram encontrados na natureza. Essa descoberta significa que a zircônia é uma pedra sintética em vez de homocriada.

Materiais naturais e sintéticos podem compartilhar as mesmas propriedades e ainda assim ter diferenças consideráveis. A principal diferença é a raridade. Uma gema natural geralmente leva milhões de anos para se formar. Além disso, muitas pessoas acham que as pedras naturais têm qualidades estéticas não encontradas em materiais produzidos em massa. O valor é outra diferença. Como as gemas naturais são mais raras e demoram mais para se formar, elas são mais valiosas do que suas contrapartes sintéticas. Por esta razão, distinguir entre naturais e sintéticos é uma habilidade essencial para os gemologistas.

Um simulante ou imitação é qualquer material apresentado como algum tipo de gema. Por exemplo, um topázio branco natural vendido como um diamante é uma imitação. Se vendido como um topázio branco, é um topázio real e natural. Uma ZC descrita como uma zircônia cúbica em um anúncio de joalheria não é uma imitação. Em contraste, uma ZC representada como um diamante é uma imitação.

Gemas orgânicas e inorgânicas

Outra abordagem para a classificação de pedras preciosas é separar pedras preciosas em orgânicos e inorgânicos. Os orgânicos referem-se a gemas cuja formação envolve organismos vivos. O âmbar, por exemplo, começou como seiva das árvores. Vários moluscos criam pérolas. Portanto, esses materiais de gemas são classificados como orgânicos.

O termo inorgânico abrange todo o resto. Então, tudo no mundo mineral cai na classificação inorgânica. Uma notável exceção política surge nos EUA. Neste país, uma pedra preciosa só pode ser classificada como mineral se for criada geologicamente na Terra. Assim, as pedras criadas em laboratório, embora tenham as mesmas propriedades que suas contrapartes naturais, não podem ser legalmente descritas como minerais. Para fins de classificação de gemas, essas gemas criadas em laboratório têm as mesmas propriedades de suas contrapartes minerais naturais. No entanto, os anúncios não podem descrevê-los como minerais.

Materiais cristalinos e amorfos

A diferenciação entre materiais cristalinos e amorfos é outra maneira de classificar gemas. O termo cristalino refere-se a minerais compostos por um padrão repetitivo de cristais. O termo amorfo refere-se a materiais que não têm forma ou forma definida. Nem todas as gemas são cristalinas. Âmbar e opala são bons exemplos de materiais amorfos. O vidro, natural e manufaturado, também é um material amorfo. Os materiais amorfos podem ser orgânicos e inorgânicos. Exemplos de materiais orgânicos amorfos incluem âmbar e marfim. As gemas amorfas inorgânicas incluem opala.

Agregados

O termo agregado se aplica a grupos de pequenas gemas que se formam juntas. Os agregados se formam quando os requisitos necessários para a formação de cristais, como a presença de certos produtos químicos, calor, pressão, tempo e espaço, não estão presentes durante o tempo necessário.

Embora um agregado possa parecer amorfo, ele consiste internamente em milhares de cristais microscópicos. O exemplo mais comum de minerais agregados é a família da calcedônia, que inclui ágatas e jaspes. Esses membros da família de quartzo compartilham muitas características comuns. Assim, esses agregados podem ter a mesma gravidade específica e índice de refração como um cristal inteiro de quartzo, mas aparências muito diferentes.

Rochas

Enquanto cristais e materiais amorfos têm um único ingrediente principal, uma mistura de minerais compreende rochas. Embora não seja um material de gema, o granito é uma das rochas mais comuns e mais conhecidas. Se você analisar cuidadosamente uma amostra, verá bits pretos, brancos e cinzas todos unidos. Você não verá muitas pedras na gemologia. Lapis lazuli é talvez a rocha mais conhecida comumente encontrada no mundo da gema.

Minerais

Agora estamos entrando no coração da classificação de pedras preciosas. A grande maioria das gemas são minerais. Tanto a composição química quanto a estrutura molecular definem as espécies minerais.

Maquiagem química

Maquiagem química refere-se aos átomos contidos no mineral. Diamante, por exemplo, tem a composição química mais simples. Carbono (C) é o único elemento presente. O coríndon é composto de apenas dois elementos, alumínio (Al) e oxigênio (O), expressos como a fórmula Al2O3. Isso significa que uma molécula de coríndon contém dois átomos de alumínio e três átomos de oxigênio. A química de outras gemas fica mais complicada. Por exemplo, a química da turmalina é expressa como Na (Li, Al) 3Al6B3Si6O27 (OH) 3 (OH, F).

Estrutura molecular

Estrutura molecular refere-se a como as moléculas se ligam umas às outras. Enquanto você não pode ver átomos individuais, você pode ver os resultados de como eles se ligam uns aos outros em cristais inteiros. Os diamantes formam cristais que se parecem com duas pirâmides presas em suas bases. O quartzo forma cristais alongados com seis lados. Estes são resultados de suas estruturas moleculares. Por exemplo, imagine que você tenha dois conjuntos de peças. As telhas de quatro lados formarão um tipo de design. As telhas de seis lados formarão um conjunto totalmente diferente de designs. Os dois estilos não podem se encaixar. Cada conjunto compõe um sistema de cristal diferente.

Exemplos: diamante e grafite

Usado em grafite, o grafite é muito macio e preto. A substância mais dura da natureza, os diamantes são incolores. Diamante e grafite ambos têm a mesma composição química: carbono puro. Então, o que explica a diferença de aparência e dureza? Seus diferentes arranjos de átomos de carbono. Os átomos de carbono nos diamantes são dispostos em um padrão de tetraedro, onde cada átomo de carbono é ligado a quatro outros átomos de carbono. Essa estrutura é incrivelmente estável, o que explica a dureza de um diamante. Por outro lado, os átomos de carbono em grafite são dispostos em um padrão de “fio de frango”. Essa estrutura é menos estável. Isso torna a grafite macia. Quando os minerais compartilham uma composição química, mas possuem diferentes estruturas moleculares, suas estruturas moleculares definem o tipo mineral. Alguns minerais compartilham uma estrutura molecular, mas possuem uma química diferente. Nestes casos, as composições químicas definem o tipo mineral.

Espécies e variedades Minerais

Ao longo deste artigo, discutimos minerais puros. Na natureza, os minerais geralmente têm impurezas presentes em quantidades muito pequenas, normalmente 3% ou menos do cristal em peso. Essas impurezas não alteram a química primária. Portanto, o nome do mineral, ou espécie, não muda. Eles, no entanto, mudam algumas das características do mineral, então usamos uma subclassificação chamada variedade. Mudanças nas características, como a aparência, podem ter um efeito considerável no valor de uma pedra preciosa.

Cores e variedades

Muitos minerais puros são incolores. As impurezas lhes dão cor. Por exemplo, o corindo puro é incolor. Adicione um pouco de cromo e chamamos de rubi. Adicione um pouco de titânio e ferro e temos uma safira azul. O berilo puro também é incolor. Adicione um toque de cromo e temos uma esmeralda. Adicione um pouco de ferro e você terá uma água-marinha. Apenas uma pequena quantidade de impurezas pode tornar um mineral excepcionalmente valioso! Corindo e berilo são chamados de espécies minerais. Suas versões coloridas são variedades. Outra espécie muito comum é o quartzo, com variedades coloridas como ametista, citrino e quartzo fumê.

Exceções de granada

Há sempre uma exceção ou duas. Aqui vamos nos. Nem todos os minerais são incolores em seu estado puro. A granada é um dos exemplos mais óbvios. Além disso, existem várias espécies de granadas e variedades. Todas as granadas compartilham a mesma estrutura e muitas semelhanças em sua composição química. No entanto, eles têm variações na química. Cada uma dessas variações é igual a uma nova espécie de granada. Aqui está um exercício que não é cientificamente preciso, mas ainda ajuda a explicar como as granadas variam. Olhe para a sua mão e finja que é um modelo de uma molécula de granada. Todas as granadas têm a mesma estrutura, a forma da sua mão e praticamente a mesma química. As últimas articulações dos seus dedos representam átomos separados. Enquanto a maioria dos átomos permanece a mesma, átomos diferentes podem residir nesses lugares. Se você mudar os átomos (a química), você muda as espécies. Essa é a regra. No entanto, você pode ver que a forma da sua mão não mudou, nem tem nenhuma das outras características básicas. Portanto, as espécies ainda são granadas.

Série e misturas

As granadas vermelhas comuns são granadas de almandina ou de piropo. Ambas as espécies de granada são vermelho escuro. No entanto, cada um tem uma composição química ligeiramente diferente. Dito isto, a mais pura granada almandina já encontrada contém 20% de piropo. O piropo mais puro contém 20% de almandina. Cada uma dessas gemas também contém uma quantidade diminuta de outras espécies de granada. Quando gemologistas precisam nomear uma granada, eles o chamam pelo componente majoritário. Como você pode ver, isso nem sempre é uma distinção clara. Considere isto: se a mais pura pirâmide de granada já encontrada é apenas 80% de piropo, então há muito mais espécimes que estão mais perto de serem apenas 50% de piropo. Os gemologistas descrevem a maioria das granadas simplesmente como mistura de piropo de almandina. Algumas granadas assumem um conjunto distinto de características. Por exemplo, um rodolito é aproximadamente 70% de piropo e 30% de almandina. O que a distingue é sua coloração roxa, já que seus dois principais componentes são vermelhos. Esta qualidade é distinta o suficiente para que a rodolita seja considerada uma variedade de granada. As granadas nunca são encontradas em seu estado puro, mas sempre em combinações umas com as outras. Por exemplo, a maioria das granadas de gema estão na série almandina-piropo-spessartite. As três são espécies individuais de granada e são sempre encontradas juntas. As espécies que compõem a maioria dão nome à gema. Esse tipo de mistura, onde as espécies de uma gema específica são sempre encontradas juntas, é chamado de série de estado sólido. Os minerais de feldspato também se formam em séries como essas.

Grupos minerais e classificação das gemas

Minerais também são classificados como grupos. Embora mais importante para os mineralogistas do que os gemólogos, aprenda a terminologia. Os campos se sobrepõem e os termos aparecem ocasionalmente em textos gemológicos. O grupo das granadas contém diversas espécies. Uma situação semelhante existe para os grupos de turmalina e feldspato. Apenas alguns de seus membros são usados ​​como pedras preciosas.

A química compartilhada também pode categorizar minerais. Por exemplo, todos os minerais que contêm sílica são agrupados como silicatos. Embora não seja importante para todos os gemólogos, os cortadores de gemas podem achar essa informação útil. Por exemplo, quando os lapidários estão cortando uma gema pela primeira vez, eles devem determinar o melhor composto de polimento. Identificar a classe da gema faz com que seja razoável começar com compostos que funcionam para outras gemas nesse agrupamento.

O que acham das gemas preciosas? Quais qualidades mais admiram em pedras preciosas?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)