De onde vem todo o combustível que nos mantém vivos? Como nos mantemos vivos? Através dos alimentos, é claro. Mas como retiramos a energia do que comemos? Vamos descrever em detalhes o que é a energia dos alimentos, de onde ela vem, e como nós a utilizamos para manter nossos corpos funcionando.

A energia dos alimentos

Todas as partes do corpo (músculos, cérebro, coração e demais órgãos) precisam de energia para trabalhar. Essa energia vem dos alimentos que comemos. Nossos corpos digerem os alimentos que comemos misturando com fluidos (ácidos e enzimas) no estômago. Quando o estômago digere os alimentos, os carboidratos (açúcares e amidos) no alimento se dividem em outro tipo de açúcar, chamado de glicose.

Já as proteínas são quebradas em aminoácidos no processo de digestão. Esses aminoácidos são usados em diversos processos no nosso metabolismo, assim como na síntese de neurotransmissores e em processos que envolvem nosso DNA e RNA. Quando não há disponibilidade de glicose ou gordura no corpo, nosso organismo é capaz de metabolizar os aminoácidos como fonte de energia.

O estômago e o intestino delgado absorvem a glicose e depois liberam-na na corrente sanguínea. Uma vez na corrente sanguínea, a glicose pode ser usada imediatamente para energia ou armazenada em nossos corpos, para ser usada mais tarde.

No entanto, nossos corpos precisam de insulina para usar ou armazenar glicose para obter energia. Sem insulina, a glicose permanece na corrente sanguínea, mantendo altos níveis de açúcar no sangue.

Como o corpo faz a insulina?

A insulina é um hormônio produzido por células beta no pâncreas. As células beta são muito sensíveis à quantidade de glicose na corrente sanguínea. Normalmente, as células beta verificam o nível de glicose do sangue a cada poucos segundos e sentem quando precisam acelerar ou diminuir a quantidade de insulina que estão fazendo e liberando. Quando alguém come algo rico em carboidratos, como um pedaço de pão, o nível de glicose no sangue aumenta e as células beta desencadeiam o pâncreas para liberar mais insulina na corrente sanguínea.

Alimentos e energia

Alimentos são essenciais na geração de energia e nos ajudam a superar até mesmo os dias mais difíceis. (Foto: HealthNewsNG)

A insulina abre as portas das células

Quando a insulina é liberada do pâncreas, ela percorre a corrente sanguínea para as células do corpo e diz às portas das células para se abrirem e deixarem passar a glicose. Uma vez dentro, as células convertem a glicose em energia para usar então ou então armazená-la para usar mais tarde .

À medida que a glicose se move da corrente sanguínea para as células, os níveis de açúcar no sangue começam a cair. As células beta no pâncreas podem identificar quando isso está acontecendo, então elas diminuem a quantidade de insulina que estão fazendo. Ao mesmo tempo, o pâncreas diminui a quantidade de insulina que está liberando na corrente sanguínea. Quando isso acontece, a quantidade de glicose que entra nas células também diminui.

Balanceando insulina e açúcar no sangue para obter a energia

O aumento e a queda da insulina e do açúcar no sangue ocorre muitas vezes durante o dia e a noite. A quantidade de glicose e insulina em nossa corrente sanguínea depende de quando e quanto comemos. Quando o corpo está funcionando como deveria, ele pode manter o açúcar no sangue em um nível normal, que está entre 70 e 120 miligramas por decilitro. No entanto, mesmo em pessoas sem diabetes, os níveis de açúcar no sangue podem subir até 180 durante ou logo após uma refeição. Dentro de duas horas após comer, os níveis de açúcar no sangue devem cair para menos de 140. Após várias horas sem comer, o açúcar no sangue pode cair tão baixo quanto 70.

Usar a glicose para obter energia e mantê-la equilibrada com apenas a quantidade certa de insulina (não muito e não muito pouco) é a forma como nossos corpos mantêm a energia necessária para permanecermos vivos, trabalharmos, brincarmos e funcionarmos mesmo quando dormimos.

A insulina ajuda a armazenar a nossa glicose extra

A insulina ajuda nossas células a converter a glicose em energia e ajuda nossos corpos a armazenar glicose extra para uso posterior. Por exemplo, se você comer uma grande refeição e seu corpo não precisa de muita glicose imediatamente, a insulina ajudará o seu corpo a armazená-lo para se converter em energia mais tarde.

A insulina faz isso transformando o alimento extra em grandes pacotes de glicose chamados glicogênio. O glicogênio é armazenado no fígado e nos músculos.

A insulina também ajuda nossos corpos a armazenar gorduras e proteínas. Quase todas as células do corpo precisam de proteína para trabalhar e crescer. O corpo precisa de gordura para proteger os nervos e fazer vários hormônios importantes. A gordura também pode ser usada pelo corpo como uma fonte de energia.

Mantenha os níveis de açúcar no sangue sob controle

O foco principal de uma vida saudável e cheia de energia é controlar a quantidade de glicose no corpo para que os níveis de açúcar no sangue permaneçam o mais próximo possível do normal. As pessoas com diabetes tipo 1 precisam de insulina como parte de seu plano de cuidados para controlar seus níveis de açúcar no sangue. Algumas pessoas com diabetes tipo 2 podem controlar seus níveis de açúcar no sangue com uma dieta saudável e exercícios. No entanto, muitas pessoas com diabetes tipo 2 precisarão incluir pílulas de diabetes, injeções de insulina ou ambos em seus planos de cuidados.

As pessoas com diabetes tipo 1 ou tipo 2 precisam prestar muita atenção a como os níveis de açúcar no sangue mudam em vários momentos ao longo do dia, a fim de mantê-los o mais próximo possível do normal. Quando os níveis de açúcar no sangue estão próximos do normal, isso significa que o corpo está obtendo a energia necessária para trabalhar, brincar, se curar e ficar saudável.

Entendeu como usamos a energia dos alimentos? Deixem suas perguntas nos comentários abaixo se ficou alguma dúvida.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)